Segunda-feira, 21 de Março de 2011

Por que RAIO não se TOMAM MEDIDAS PARA EMAGRECER O ESTADO????

Avança a Contestação nos tribunais das medidas do Governo

Especialistas questionam novo “imposto” sobre as pensões

 

21.03.2011 - 08:21 Por Raquel Martins

A aplicação de uma taxa especial sobre as pensões de reforma acima dos 1500 euros, uma das medidas que o Governo propõe no PEC que hoje será apresentado (ver páginas 2 e 3), está a gerar dúvidas entre os constitucionalistas.
 

Governo está a propor um corte nas pensões superiores a 1500 euros

 (Pedro Cunha (arquivo))

Princípios como os da igualdade e da proporcionalidade podem, dizem alguns especialistas, estar a ser colocados em causa, não só nesta última proposta governamental como também na contribuição que já está a ser exigida às pensões mais elevadas.

Paulo Otero, professor da Faculdade de Direito de Lisboa e que elaborou um parecer para o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) a contestar os cortes salariais efectuados este ano, é um dos constitucionalistas a lançarem o alerta. Quer a contribuição de “solidariedade” que está a ser aplicada às pensões douradas, quer a contribuição “especial” a aplicar às pensões acima de 1500 euros a partir de 2012 não são mais do que um imposto que incidirá apenas sobre alguns e que, por isso, viola várias normas constitucionais. Embora ressalve que é preciso “esperar para ver” como é que o Governo pretende aplicar a medida no próximo ano, Paulo Otero receia que estejam em perigo desde logo os princípios constitucionais da igualdade e da proporcionalidade.

O fiscalista Rogério Fernandes Ferreira realça que provavelmente o que o Governo fará aos pensionistas em 2012 será o mesmo que fez aos funcionários este ano, diminuindo-lhes o valor das pensões pagas. Mas se assim não for e “caso se trate de um novo imposto, dito de «solidariedade», e a incidir sobre o montante das reformas, das pensões, das subvenções e de outras prestações pecuniárias de idêntica natureza que excedam 1500 euros, algumas questões poderão suscitar-se do ponto de vista constitucional”.

Desde logo “o princípio da unicidade, formal e material, do imposto sobre o rendimento pessoal (IRS), que constitucionalmente deve ser único, e mesmo com o princípio da igualdade, decorrente da capacidade contributiva”. Mas o fiscalista lembra que pode também estar em causa a questão da proporcionalidade, uma vez que “tal contribuição, enquanto verdadeiro imposto, mesmo que extraordinário e de solidariedade, mesmo que temporário e ou justificado por razões excepcionais, sempre incidiria sobre rendimentos tributados – duplamente, portanto – em sede de IRS e, agora, de um novo imposto”.

A questão da violação do princípio da não-retroactividade da lei fiscal também poderia estar em causa, mesmo que a nova contribuição pudesse ser justificada por razões de “emergência nacional”.

Salários vs. pensões

Embora algumas destas questões também tenham sido suscitadas nos pareceres que acompanham as acções que chegaram a tribunal para contestar o corte no salário, Fernandes Ferreira lembra que, embora ambas as medidas preconizem “uma diminuição de rendimento líquido disponível, num caso aos trabalhadores, noutro caso aos pensionistas”, do ponto de vista técnico “são medidas diferentes” e que “serão apreciadas, mesmo do ponto de vista constitucional, de forma distinta, ainda que com base em alguns dos mesmo princípios”.

O constitucionalista Jorge Miranda – responsável pelo parecer que o Governo está a usar nos tribunais para defender os cortes dos salários – não vê, para já, problemas constitucionais na contribuição a aplicar às pensões em 2012. “Pode é pôr-se um problema de justiça e de equilíbrio social.”

“Custa-me a crer que não houvesse outras formas de o Estado obter receitas e reduzir despesa”, sustentou o professor da Faculdade de Direito de Lisboa em declarações à TSF.

Na apresentação do chamado PEC IV, Teixeira dos Santos garantiu que a medida é temporária e só permanecerá enquanto se justifica, afastando problemas constitucionais.

O PÚBLICO questionou o Ministério sobre se a contribuição prevista para 2012 irá acumular com o corte que já está a ser efectuado nas pensões mais altas, mas o gabinete de Teixeira dos Santos realça que a questão “é prematura”, dado que o que foi enunciado foi “um princípio geral que será concretizado em norma jurídica na Lei do
Orçamento do Estado para 2012”.

O PÚBLICO tentou também apurar se a aplicação da medida em 2012 será feita de forma semelhante ao que está previsto para 2011 no
Orçamento do Estado. Mas, também neste caso, o Ministério das Finanças limitou-se a responder que “a medida tem outras características

publicado por blogdaportugalidade às 11:17
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. RUI PINTO

. REFLEXÕES SOBRE O SISTEMA...

. ...

. NINGUÉM SE PREOCUPA CO...

. ESBANJAMENTO DE DINHEI...

. E ASSIM SE VAI VE...

. LER PORTAGENS NAS SCUTS,...

. UMA CARTA DE RUY DE CA...

. MOVIMENTO CONTRA O NAO : ...

.arquivos

. Agosto 2020

. Setembro 2019

. Março 2019

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.favorito

. AH....GRANDE VINTE E CIN...

. As novas oportunidades

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub