Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

MAIS UM...A JUNTAR AOS PIGS

Itália junta-se ao clube dos PIGS
O primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi Alessandro di Meo, Epa

O chamado clube dos PIGS (Portugal, Irlanda, Grécia, Espanha) parece na iminência de acolher mais um membro - a Itália. A dívida acumulada do país é astronómica. Até aos primeiros sinais de declínio politico de Berlusconi, o problema foi relativizado. Agora, um remoque do primeiro ministro ao ministro das Finanças colocou o foco das atenções sobre as fragilidades da dívida italiana.

 

Com efeito, não foram o deficit orçamental, relativamente modesto, nem a dívida privada, igualmente discreta, que levaram o ministro das Finanças, Giulio Tremonti, a propor um plano de redução da despesa calculado em 40 mil milhões de euros e que levaram o Governo italiano a aprovar esse plano em 30 de junho.

Os calcanhares de Aquiles são, neste caso, um crescimento económico anémico (0,1% no primeiro trimestre) e uima dívida acumulada que, na escala europeia, fica logo atrás da grega: 120 por cento do PIB. Com o plano, Tremonti visava equilibrar o orçamento até 2014 e escapar à degradação do rating italiano já explicitamente ameaçado pelas agências Moody's e Standard and Poor's.

A entrevista que fez estragos

A crise precipitou-se com uma entrevista do primeiro ministro Silvio Berlusconi que publicamente admoestou o seu ministro das Finanças por não ter suficientemente em conta aquilo que constitui, segundo o mesmo Berlusconi, a essência da política: a luta pelo favor do eleitorado. Nas entrelinhas desta censura dirigida ao seu ministro, logo leram "os mercados" um sinal de que o plano de cortes orçamentais de Tremonti seria suavizado e diluído.

Pouco importava que o plano viesse recolhendo veementes declarações de apoio nas instâncias internacionais e nomeadamente nessa instância para muitos suprema que é a chanceler alemã, Angela Merkel. O facto é que os investidores, após publicação da entrevista, imediatamente deram sinais de insegurança quanto á aprovação do plano. E assim foi a passada sexta feira, na Bolsa de Milão, uma "sexta feira negra" para os títulos italianos.

Hoje, as medidas tomadas para limitar as vendas a descoberto e, com elas, a especulação, não puderam impedir que os mesmos valores continuassem a cair. No momento de escrever estas linhas, a queda ia em 4,32%. Por contágio ou coincidência outras bolsas - nomeadamente a portuguesa - registavam perdas na mesma ordem de grandeza.

Quanto às taxas de juro da dívida italiana a dez anos, essas tinham hoje subido para 5,4%.Também aí, o fenómeno assumia contornos internacionais: as taxas da dívida espanhola a dez anos atingiam hoje uns inéditos 6%.

Alarme em Itália

O economista Marco Vialli, do banco UniCredit, citado pela Agência France Press (AFP), dava voz a um receio generalizado: "Esta vaga especulativa toma a Itália como alvo quando emergem algumas dúvidas sobre os objectivos orçamentais". Vialli acrescentou ainda que o plano contém a contradição de ser proposto por este Governo, e de a a maioria das suas medidas ter de ser executada, em 2013 e 2014, pelo próximo.

Para ensombrar ainda mais o quadro de conjunto, o ministro Tremonti está agora envolvido em acusações de corrupção, que não o tornam um modelo de virtudes facilmente oponível ao contestado primeiro ministro. Dando conta da profundidade da descrença semeada e colhida pela nomenklatura do Governo, o preisdente da República, Giorgio Napolitano, apelou hoje à "coesão nacional".

A oposição do PD (Partido Democrático) respondeu a Napolitano pela voz de Enrico Letta, com a promessa de não obstruir a aprovação do plano antes das férias de verão. Mas o afã colaboracionista da oposição contrasta com as reservas ruidosamente manifestadas no campo do próprio Governo proponente do plano, nomeadamente na entrevista de Berlusconi.

Alarme na Europa

A atitude do primeiro ministro italiano vem suscitando, aliás, alarme nos círculos dirigentes europeus. Hoje mesmo a chanceler alemã Angela Merkel lhe telefonou, manifestando a sua expectativa de que o plano obtenha sem tardança a necessária aprovação parlamentar.

Ao relatar essa conversa telefónica, Merkel, citda pela AFP,  resumiu a sua posição afirmando que a Itália "deve enviar um sinal que é a adopção de um orçamento correspondendo a exigências económicas de consolidação". E acrescentou: "Confio no governo italiano para promulgar um tal orçamento, mostrando assim que pretende consolidar as finanças e combater as dívidas".

publicado por blogdaportugalidade às 17:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

19
20
21
22

24
26
27
29

30


.posts recentes

. NINGUÉM SE PREOCUPA CO...

. ESBANJAMENTO DE DINHEI...

. E ASSIM SE VAI VE...

. LER PORTAGENS NAS SCUTS,...

. UMA CARTA DE RUY DE CA...

. MOVIMENTO CONTRA O NAO : ...

. UMA CARTA AO SR (SENHO...

. CONGRESSO DEMOCRÁTICO DAS...

. AFINAL ,QUEM É O SINDI...

. PARA TODOS OS PORTUGUESES...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.favorito

. AH....GRANDE VINTE E CIN...

. As novas oportunidades

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds