Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

GOVERNAR???PIOR ???

Um suicídio colectivo? Nunca…

O próximo dia 5 ficará marcado na nossa história moderna, como a oportunidade oferecida aos portugueses, para definirem o seu destino e o de algumas gerações vindouras, face ao desastre total a que Portugal foi conduzido, especialmente nos últimos anos, mercê de uma política, vergonhosa, no âmbito da Ética e da moral e absolutamente destruidora, no aspecto económico, financeiro, social e Ético. E por mais farsas que encenadas sejam, incluindo a tentativa da chamada ao palco de actores que nunca fizeram parte do elenco, os responsáveis por este desastre, em que a própria independência nacional já foi afectada e a dignidade de um povo ultrajada, num autêntico insulto a um passado que todos temos obrigação de respeitar e preservar, têm rosto e nome. E, de certeza, que nunca a história os esquecerá e que sempre serão recordados como os coveiros dos actualmente ainda vivos e de gerações futuras. E se os presentes podem e devem ser responsabilizados, por tudo o que não fizeram para impedir autênticos crimes de lesa - pátria ou por os terem cometido, às gerações futuras apenas resta a triste possibilidade de apelidarem de criminosos os que as antecederam. E muito em especial aos que, passiva e cobardemente, a tudo assistirem sem sequer se defenderem, utilizando a mais poderosa de todas as armas que uma democracia permite: a arma do voto. E pergunto-me: que raio de povo é este, meu povo? Será que uma declarada e descarada política de ilusão, de encobrimento da realidade e da verdade, praticada por diversos governos, mas em que o grande destaque vai para os últimos dois, situação agravada por uma vivência de facilitismo que os mais velhos proporcionaram a filhos e netos, gerando a ilusão de não ser necessário fazer sacrifícios de qualquer natureza para conseguirem usufruir de tudo o que uma sociedade de consumo e tremendamente materialista lhes oferecia, justifica tal alheamento da causa pública? Sei perfeitamente que o “Estado Protector”que muitos advogam e mesmo implantaram, mais ajudou, facilitou e mesmo incentivou tal tipo de vivência. E sei, do mesmo modo, que uma política de subsidio - dependência, cujos beneficiários, muitos dos quais a quem o trabalho aterroriza, mais a incentivou, gerando-se assim uma forte e estável base de apoio, inteligentemente montada, admitamos. Deste modo foram avalisados comportamentos tendentes a apenas aparentar que alguma coisa parecesse mudar, para que tudo ficasse na mesma ou ainda pior e maior indiferença e passividade se instalasse, mas tais realidades ainda tornam mais responsáveis os que, por puro egoísmo, inconsciência cívica e política ou mesmo pela comodidade obtida por uma vida parasitária, tornaram viável uma caminhada para o abismo em que Portugal caiu e se encontra.

E só um verdadeiro espírito de sobrevivência, de que todos os povos por norma são possuidores, e de que os portugueses já deram profundas provas de saberem utilizar, nas horas mais difíceis, permitirá que o próximo dia 5 não seja o de um autêntico “Suicídio Colectivo” dos portugueses e, assim, na prática, o enterrar, por algumas dezenas de anos, das mais justas aspirações do povo português e da sua independência e dignidade; e essa sobrevivência e negação do “Suicídio Colectivo”passará pelo afastamento, por muitos e muitos anos, de quem tenho apelidado de, no âmbito meramente político, “Coveiro do Povo”…

E até por duas razões muito simples, que afastam qualquer tipo de receios ou mesmo dúvidas:

-Governar pior, é impossível;

-Impossível também é  continuar a delapidar a coisa pública, pois que quase tudo delapidado já foi.

Então, transformemos o dia 5 na pedra base e angular para a reconstrução de um Portugal novo e digno do seu passado, tantas vezes glorioso. Que os vindouros não se envergonhem dos seus antepassados, à mesma dimensão com que os vivos se podem orgulhar dos seus.

E que a todos, mas mesmo a todos, um só espírito anime: Servir o país, salvando assim Portugal! Porque, e que ninguém duvide, é disto que se trata…

Por mim, e mais uma vez, a minha simples ajuda não faltará.

 

 

publicado por blogdaportugalidade às 09:18
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Neste MUNDO não há almoços GRÁTIS...A história do TGV

 
Subject: O GRANDE MISTÉRIO DO TGV

 

Assunto: O GRANDE MISTÉRIO DO TGV


 

 

O GRANDE MISTÉRIO DO TGV

Porque será que Sócrates mantém esta insistência obsessiva no TGV? Quando quase toda a gente, desde o analfabeto ao catedrático, reconhece a impossibilidade financeira de o construir, e depois de se provar  tecnicamente que será uma rede deficitária, porque continua Sócrates a insistir?

Será que Sócrates é um visionário, e todos nós uns pobres ignorantes?

Ou será que há outras razões, talvez impositivas e condicionadoras, que só Sócrates sabe, e que não pode confessar a ninguém?)

A megalomania das grandes obras tem sido uma obsessão quase permanente de quem passa pelo Poder. É assim desde a Antiguidade, e é gene que ainda empesta o cromossoma do político actual. A vontade deixar para a posteridade, algo de perene que perpetue o seu construtor, é uma vaidade com que os poderosos sempre tentaram iludir a morte - a inevitabilidade terrível do desaparecimento.

Como os seus antecessores, é por isso natural que Sócrates quisesse deixar obra visível que o recordasse.

Daí não me espantar que tenha avançado, de uma assentada, com um conjunto de grandes investimentos, como o TGV, a 3ª travessia do Tejo e um Aeroporto construído em terrenos de M. Jamais.

Mas desde os dias fulgurantes do estado de graça de Sócrates, até aos dias pedintes de hoje, vai muito tempo, e muita coisa aconteceu desde então.

Vamos aos factos.

Em Março de 2005, Sócrates é empossado pela primeira vez como
Primeiro-Ministro, gozando de uma maioria absoluta na Assembleia.

O TGV já então fazia parte do programa de Governo, que previa o seu início nessa legislatura, se bem que entre Porto e Lisboa, ligação que muito mais tarde foi alterada para Poceirão / Caia.

Esta obra era há muito uma bandeira de Sócrates, de tal modo que dela fez propaganda anos antes, levando-a depois até ao referido programa de Governo.

Sobre a matéria, vejamos o que dizia então o Presidente da Multinacional Alemã Siemens, Sr. Heinrich von Pierer. Considerava o TGV em Portugal como um "projecto fantástico", afirmando "querer ser nosso parceiro nesse projecto". Estas declarações foram produzidas em Munique, para um grupo de jornalistas portugueses (Novembro de 2003).

Entretanto, a coisa ficou por ali.

Contudo, iam-se agravando as condições económicas do país. Sócrates não consegue reduzir uma grama na adiposidade do Estado, e vê as despesas aumentarem. As suas deslocações, juntamente com Teixeira dos Santos, a Bruxelas, são quase semanais. O facto é que, segundo ele, traz sempre boas notícias e, permanentemente interrogado sobre o TGV, mantém-se irredutível: é para ir para a frente.

Lembro que, estranhamente, e por motivos ainda muito mal explicados, o Dr.Campos e Cunha (primeiro ministro das Finanças a ser escolhido por Sócrates), afasta-se logo após ter proferido declarações onde reconhecia a indisponibilidade financeira da execução de uma obra como o TGV e o Aeroporto.

Contudo, a velha história das garantias de que grande parte do financiamento vinha da UE, mantiveram Sócrates com argumentos para prosseguir. Campos e Cunha é que não ficou mais. Ele sabia porquê.

Entretanto, e contra tudo e contra todos, a construção do TGV é adjudicado em Dezembro de 2009, ao consórcio Elos (que engloba a Brisa, Soares das Costa, ACS espanhola, Grupo Lena, Bento Pedroso, Edifer, Zagrope, Babock e Brow Lda, BCP e CGD).

Com as condições de agravamento da nossa economia, e com os sucessivos falhanços na baixa do défice, em 2010 a UE começa a mostrar-nos sérios "cartões amarelos" e, preocupada com o destino que as coisas levam, e, de certo modo, traumatizada com os casos de Irlanda e da Grécia, e com o "espantalho" de que os problemas se alastrem a Espanha e a Itália (onde a dívida pública já tinha ultrapassado em muito os 100% do PIB - actualmente está nos 120%), obriga Portugal a tomar sérias medidas, que haviam de se
traduzir no PEC1.

Este PEC1 data de Março de 2010.

Demonstrada a insuficiência dele, em Maio do mesmo ano avança-se com o PEC2, e quatro meses mais tarde, com o PEC3.

Sócrates continua a deslocar-se a Bruxelas assiduamente. As visitas e reuniões da praxe, mas as reuniões com Ângela Merkle são obrigatórias.
Estranha-se que entre ambos exista como que uma cumplicidade, ou algo que leva o nosso Primeiro-ministro a conversar, preferencialmente, com ela.

E há algo que continua um mistério: apesar das sérias restrições que os PECs impõem, dos aumentos de impostos, da redução dos benefícios sociais, do aumento do IVA, IRS, e até da suspensão da 3ª travessia do Tejo e do Aeroporto de Lisboa, o TGV continua intocável!

É que, mesmo adjudicado, a obra poderia ser suspensa (como foi a 3ª
travessia do Tejo depois de ser adjudicada). Mas não! Mantinha-se o TGV.

Assim, o PEC1 tem o aval da UE, 2 meses depois de adjudicarmos o TGV, e os dois PECs seguintes, também obtêm a aprovação europeia.

A seguir à aprovação do PEC3 (Setembro de 2010), logo em Novembro do mesmo ano, a Multinacional Siemens volta à carga.

A Multinacional afirma que possui 10 mil milhões de Euros para financiamento de TGVs, através da sua Siemens Project Adventures (que por sua vez está ligada à Siemens Financy Services), e que iria propor ao governo português um esquema de financiamento do TGV.

Duas perguntas: que relação existe entre a data de adjudicação do TGV (Dezembro de 2009), e a apresentação dos PECs1, 2 e 3 (Março, Maio e Setembro de 1010)? Será que a adjudicação terá servido de garantia para que a Srª Merkle desse o seu aval a esses PECs?

Porque uma coisa é certa: quem manda na UE é Ângela Merkle.

Ela é que manda no dinheiro, ela é a "chanceler do Euro". Durão Barroso, para todos os efeitos, é uma figura ornamental, quando muito um Chefe de Secretaria da UE, que, como todos os outros, tem que render vénias à poderosa Srª Merkle. E outra pergunta: qual a razão porque a Siemens veio, de seguida (Novembro de 2010) anunciar a intenção de financiar a obra?

Entretanto, como sabemos, e com o PEC4 já avalizado por Merkle, o Governo cai. Mas o TGV não cai, e Sócrates, antes de cair, ainda insiste. E tem razão, porque os 80 mil milhões INTERCALARES, existiram mesmo!

Seria o dinheiro para "aguentar" Sócrates até que as primeiras tranches do PEC4 chegassem.

Durão Barroso, numa resposta fugidia, disse que desconhecia essa quantia intercalar, e que tal modalidade não estava prevista nos regulamentos da UE.

Mas o facto é que Sócrates trouxe de lá a promessa dessa garantia!

Disse-o a todos os portugueses! E disse-o porque Merkle lho havia prometido.
A não ser assim, Sócrates mentiu! Mas Sócrates não mentiu. Porque Merkle arranjaria o dinheiro.

Mas a história não se fica por aqui.

O TGV implica a compra de material, muito material, entre os quais os comboios (locomotivas e carruagens), nada menos de 22, numa primeira fase.
Mas também a manutenção, a assistência, todo o complicadíssimo sistema hard e softwere indispensável para o controle da rede, o aluguer de material complementar, etc., etc., etc. Um nunca mais acabar de encargos eternos.

Para fornecimento do material, dispõem-se, à partida, três empresas capazes de cumprir com o programa de concurso: Alstom (francesa), a Bombardier (Canadiana) e a Siemens (Alemã).

A quem adjudicar?

A Alstom francesa está metida em sérios problemas judiciais na Suiça, França e Brasil, sob a acusação de ter subornado políticos para que lhe adjudicassem material.

A canadiana Bombardier, se bem se lembram os portugueses, fechou as fábricas na Amadora em 2004, deixando centenas de trabalhadores no desemprego.

A Siemens alemã, tem a vantagem de possuir as máquinas mais competitivas do mercado, assentes na plataforma Velaro, que podem atingir os 350 Km/hora, sendo o comboio mais rápido do mundo.

Esta escolha da empresa fornecedora (como o contrato de financiamento) estava nas mãos de Sócrates. Perante este cenário, a quem acham que se deveria fazer a adjudicação?

A uma empresa com problemas judiciais, a outra que saiu de Portugal com tão triste fama, ou à alemã Siemens, que possui uma boa máquina ferroviária e que faz parte da mesma empresa que negociaria um financiamento com o Governo português para a execução do TGV?

Era evidente a quem adjudicar. E Sócrates tinha o poder para o fazer.

Será que o TGV era a garantia dada por Sócrates à Srª Merkle?

Para que esta avalizasse os empréstimos resultantes de sucessivos PECs, sem que Sócrates sofresse a humilhação interna de ter que pedir a intervenção do FMI (com que prometera a pés juntos, nunca governar? E com isso hipotecar em definitivo a sua carreira política?)

São as dúvidas que ficam, mas que um dia serão esclarecidas.

Apenas narrei factos, evidências, estabeleci uma cronologia, e tentei
desvendar o complicado algoritmo da relação entre a política e os interesses financeiros. E depois, sobre eles, como cidadão que se preza de avisado e que não perdeu a qualidade de inferir, coloquei as minhas dúvidas.

Se isto for verdade, Sócrates seria o elo mais fraco deste acordo que lhe garantia os dinheiros com que suportava um Estado devorador e excessivo que foi incapaz de meter na linha. Merkle, o elo mais forte e representante da poderosíssima industria alemã.

Se calhar, Sócrates já há muito que desejaria ver-se livre do "empecilho" do TGV.

Mas será que podia?

Neste mundo, não há almoços grátis.

Por Francisco Gouveia, Eng.º
publicado por blogdaportugalidade às 19:59
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Maio de 2011

VOTAR....?????????????????????????????????????????????

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 É BOM QUE OS PORTUGUESES REPAREM O QUE SE PASSOU EM ESPANHA NAS ELEIÇÕES;NO DOMINGO PASSADO!!!

PENSEM NO VOSSO FUTURO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por blogdaportugalidade às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

PORTUGAL,EM CRISE?????FAZER SACRIFICIOS ;QUEM ????TODOS???SÓ ALGUNS...

 

 

Viva Portugal (ou dá cá o meu!)!

 

 

REPASSANDO....

 

 

Drª. Judite de Sousa...

 

 

EXEMPLOS DE PORTUGUESISMO, DITADO POR GENTE DIGNA E HONRADA.

 

É preciso é coragem, darmos as mãos, muito sacrifício colectivo e ânimo, muito ânimo.

 

Que se divida o esforço por todos. Que todos nós sejamos contribuintes para o esforço nacional de recuperação deste pobre país.

 

Por exemplo:

 

Li ontem numa revista que a Drª Judite de Sousa levava 32 anos de RTP.

Ou seja, ainda que uma funcionária pública especial, era paga pelo estado, por todos nós.

 

Dizia também a revista que a Drª Judite achou que 32 anos era uma longa vida e que tinha resolvido mudar de ares. Às vezes faz falta. Sempre no mesmo lugar, sempre a contar os parcos tostões, cansa, claro que cansa.

 

Mas esta mudança de ares tem tem outros "ares" pelo meio.

Tomem nota.

 

Após a última entrevista da Drª Judite ao 1º ministro Sócrates (logo após a determinação do corte de 10% nos salários mais elevados da função pública), terminada a entrevista, ocorreu o seguinte diálogo em off:

 

- Drª Judite: Ó sr. 1º ministro! Então agora vão-me cortar 10% do meu salário...?! São 1.500 €, já viu...?!

 

- Sócrates: (espantado) 1.500 €....? Então a senhora está a ganhar bem...! Olhe a mim cortaram-me 500...!

 

- Drª Judite: ......!

 

Dias depois a Drª Judite fez as malas e correu para a TVI, onde não há funcionários públicos, e lhe prometeram aumentar mais o salário, juntando-se à família (Dr. Fernando Seara, que havia deixado a "O Dia Seguinte" onde aboletava 1.250€ por sessão...! Não por mês...!), fintando assim os 10% com que a queriam molestar, ao fim de 32 anos de maus ares e salários mixerucas na RTP...

 

Nesta hora de aperto, corações ao alto...!

Afinal ainda temos bons portugueses e gente que sente o país e está disposta a contribuir com parte dos seus magros salários.

Com portugueses assim estamos bem.

A crise passará (por cima de alguns de nós, esmagando muitos, é certo...), mas passará...!

 

Nota: Não se apresse a desmentir Drª Judite... Está gravado...!!!

 

 lisboa 24 de Maio de 20011

 

Fonseca dos Santos

 

publicado por blogdaportugalidade às 17:30
link do post | comentar | favorito
|

MAS AFINAL ONDE ESTÁ A DEMOCRACIA????NIFESTAÇÕES EM ESPANHA??? NINGUÉM DIZ NADA????COM SOCIAL????

 

Assunto: Manifestações em Espanha

 

 


Desde o dia 15 de Maio que os espanhóis se manifestam, eles não arredam pé , noite e dia,embora a polícia tenha proíbido.

Em Madrid nas Puertas del Sol são milhares e já se arrastaram a Barcelona e Sevilha e por aí fora.

Porque será que a nossa TV noticia tão pouco o que se está a passar no País ao lado e que já contagiou vários Países da América Latina.

Será Censura?......

 

publicado por blogdaportugalidade às 00:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

OS CATIVOS ...da 3ª Guerra Mundial...

 

Os 20 que nos têm cativos

 

por FERREIRA FERNANDES (Jornalista principal do DN)

 

 

 

 

 

Sim, também se aprende em eleições. Já a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários revelara no relatório anual sobre as sociedades cotadas (mas quem lê relatórios da Bolsa?), mas foi Francisco Louçã que disse em campanha: 20 administradores acumulam lugares nas administrações de mais de mil empresas portuguesas! Os discursos eleitorais sendo como os almoços, nunca grátis, Louçã puxou a coisa para o efeito imediato: um desses administradores omnipresentes ganhava 2,5 milhões de euros por ano. Ora esse é talvez o aspecto menos interessante do facto extraordinário de haver 20 pessoas com presença, cada uma, em 50 conselhos de administração. Aliás, alguns até estão em cargos não remunerados - e isso sublinha todo o sentido daquela bizarria. Os 20 tipos espalhados por mil empresas não estão lá para as gerir, estão lá para influenciar. Noutros negócios - máfia, maçonarias, Opus Dei (ou se quiserem ser românticos, dez estudantes finalistas brilhantes que fazem um pacto secreto para dirigir o País ao fim de uma dúzia de anos...) -, noutros negócios similares há a construção de um polvo, com estatutos mais ou menos secretos e uma vontade de organização. Mas os nossos "20 em mil" não são filhos de um complô - eles existem porque a nossa economia (centralizada e sem rasgo) respira naturalmente esta distribuição de poucos por quase tudo que dê dinheiro a sério. É assim porque é assim. E não vai deixar de ser assim.

 

publicado por blogdaportugalidade às 19:25
link do post | comentar | favorito
|

A 3ª Guerra Mundial começou em 1954...em Bilderberg

Octopus

A rádio, os jornais, a televisão não vos contam a verdade. Sobre qualquer informação faça a seguinte pergunta: "Quem beneficia com isto?". Procure pontos de vista diferentes, pense por si. Agora sim, retome a notícia.

 

CLUBE BILDERBERG EM ACÇÃO!

 

É fácil destruir a quem se opõe às suas tácticas financeiras. 

 


Dominique Strauss Kahn foi eliminado por ameaçar a elite financeira mundial 


 


 

Dominique Strauss Kahn foi vítima de uma conspiração construída ao mais alto nível por se ter tornado uma ameaça crescente aos grandes grupos financeiros mundiais. As suas recentes declarações como a necessidade de regular os mercados e as taxas de transacções financeiras, assim como uma distribuição mais equitativa da riqueza, assustaram os que manipulam, especulam e mandam na economia mundial.

 

Não vale a pena pronunciar-nos sobre a culpa ou inocência pelo crime sexual de que Dominique Strauss Kahn é acusado, os media já o lincharam. De qualquer maneira este caso criminal parece demasiado bem orquestrado para ser verdadeiro, as incongruências são muitas e é difícil acreditar nesta história.

 

O que interessa aqui salientar é: quem beneficia com a saída de cena de Strauss Kahn?

 

Convém lembrar que quando em 2007 ele foi designado para ser o patrão do FMI, foi eleito pelo o grupo do clube Bilderberg, do qual faz parte. Na altura, ele não representava qualquer "perigo" para as elites económicas e financeiras mundiais com as quais partilhava as mesmas ideias.

 

Em 2008, surge a crise financeira mundial e com ela, passados alguns meses, as vozes criticas quanto à culpa da banca mundial e à ao papel permissivo e até colaborante do governo norte-americano. Pouco a pouco, o director do FMI começou a demarcar-se da política seguida pelos seus antecessores e do domínio que os Estados Unidos sempre tiveram no seio da organização.

 

Ainda no início deste mês, passou despercebido nos media o discurso de Dominique Strauss Kahn. Ele estava agora bem longe do que sempre foi a orientação do FMI. Progressivamente o FMI estava a abandonar parte das suas grandes linhas de orientação: o controlo dos capitais e a flexibilização do emprego. A liberalização das finanças, dos capitais e dos mercados era cada vez mais, aos olhos de Strauss Kahn, a responsável pela proliferação da crise "made in America".

 

O patrão do FMI mostrava agora nos seus discursos uma via mais "suave" de "ajuda" financeira aos países que dela necessitavam, permitia um desemprego menor e um consumo sustentado, e que portanto não seria necessário recorrer às privatizações desenfreadas que só atrasavam a retoma económica. Claro que os banqueiros mundiais não viam com bons olhos esta mudança, achavam que está tudo bem como sempre tinha estado, a saber: que a política seguida até então pelo FMI tinha tido os resultados esperados, isto é os lucros dos grandes grupos financeiros estavam garantidos.

 

Esta reviravolta era bem-vinda para economistas progressistas como Joseph Stiglitz que num recente discurso no Brooklings Institution, poderá ter dado a sentença de morte ao elogiar o trabalho do seu amigo Dominique Strauss Kahn. Nessa reunião Strauss Kahn concluiu dizendo: "Afinal, o emprego e a justiça são as bases da estabilidade e da prosperidade económica, de uma política de estabilidade e da paz. Isto são as bases do mandato do FMI. Esta é a base do nosso programa".

 

Era impensável o poder financeiro mundial aceitar um tal discurso, o FMI não podia transformar-se numa organização distribuidora de riqueza. Dominique Strauss Kahn tinha-se tornado num problema.

 

Recentemente tinha declarado: "Ainda só fizemos metade do caminho. temos que reforçar o controlo dos mercados pelos Estados, as políticas globais devem produzir uma melhor distribuição dos rendimentos, os bancos centrais devem limitar a expansão demasiado rápida dos créditos e dos preços imobiliários Progressivamente deve existir um regresso dos mercados ao estado".

 

A semana passada, Dominique Strauss Kahn, na George Washington University, foi mais longe nas suas declarações: "A mundialização conseguiu muitos resultados...mas ela também um lado sombrio: o fosso cavado entre os ricos e os pobres. Parece evidente que temos que criar uma nova forma de mundialização para impedir que a "mão invisível" dos mercados se torne num "punho invisível".

 

Dominique Strauss Kahn assinou aqui a sua sentença de morte, pisou a alinha vermelha, por isso foi armadilhado e esmagado.

 

 

Esta é a 3ª Guerra Mundial começada em Bilderberg com a reunião dos grandes magnatas sem escropulos

publicado por blogdaportugalidade às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

...

 

Tiragem: 44789

 

País: Portugal

 

Period.: Diária

 

Âmbito: Informação Geral

 

Pág: 38

 

Cores: Cor

 

Área: 28,79 x 18,89 cm²

 

ID: 34349143 04-03-2011

 

 

Corte: 1 de 1

 

 

Este Natal li dois bons livros. São uma espécie de Padrinho I

e Padrinho II, a continuação um do outro. Recomendo ambos

 

Salazar

 

 

Este Natal li dois bons livros: um sobre a Primeira

 

República, de António Telo, e a biografi a de

 

Salazar, de Filipe Ribeiro de Menezes. São uma

 

espécie de Padrinho I e Padrinho II, são a continuação

 

um do outro. No primeiro vemos a causa,

 

no outro a consequência. Recomendo ambos.

 

O livro de Telo apenas abarca a primeira metade da Primeira

 

República, ou seja, até ao fi m da Grande Guerra. Vê-se

 

de forma clara a obstinação e a cegueira de Afonso Costa. A

 

sua determinação e a sua corrida para o abismo é surpreendente.

 

Faz-me lembrar alguns políticos que infelizmente nos

 

governam. Fica claro que o sidonismo é eminente e percebese

 

que um qualquer Salazar viria. Fica também claro que

 

chamar à I República democracia e reino da liberdade é uma

 

visão falsa. E Telo não teve medo de o mostrar.

 

Da biografi a de Salazar fi quei a perceber alguns acontecimentos

 

de que não tinha consciência. Talvez o mais

 

importante seja que, embora o regime fosse declarada e

 

assumidamente não democrático e não liberal, Salazar

 

viveu sempre acossado. Desde logo para consolidar o seu

 

poder; o golpe de 28 de Maio foi o início mas nada teve

 

de salazarista. Subiu a pulso até chegar onde chegou.

 

Depois foi acossado pelas infl uências revolucionárias

 

da República Espanhola. Logo de seguida teve a guerra

 

civil e, com Franco ganhador, o receio da anexação do

 

País por cedência aos radicais da Falange. Sobreveio a

 

II Grande Guerra e os receios de invasão por Espanha

 

(ou pela Alemanha) avolumaram-se. Daí o seu encosto

 

britânico para tentar o impossível por parte do velho

 

aliado em termos de segurança externa.

 

Finalizada a Guerra, as celebrações na rua da vitória

 

dos Aliados eram também anti-salazaristas. Pelo que, mais

 

uma vez, Salazar fi ca apertado, apesar do seu sucesso

 

(inegável) em ter conseguido manter o País intacto nas

 

suas fronteiras e sem participar na guerra. A candidatura

 

de Norton de Matos poderia ter sido uma ameaça.

 

Pouco depois morre Carmona e novamente tem de tomar

 

opções, nomeadamente entre a monarquia ou a república.

 

Opta pela segunda, mas não sem perder apoios

 

e desiludir muitos.

 

Finaliza os anos 50 com Humberto Delgado e os problemas

 

que conhecemos. E logo no início dos anos 60 tem

 

o seu período mais negro: invasão do Estado da Índia, a

 

ameaça de golpes e o início da guerra em África. Daí para

 

a frente é um homem apenas à defesa, sem capacidade

 

de se antecipar ou jogar politicamente. Acossado até ao

 

fi m, em 1968.

 

Outro traço claro de Salazar, que eu já conhecia, mas

 

que não é contraditado nesta biografi a, é que Salazar não

 

foi um fascista em sentido próprio do termo. Nem todas as

 

ditaduras de direita, que sempre as houve, são fascistas que

 

é um fenómeno específi co de uma determinada época.

 

Desde logo Salazar não ganhou o poder nem por eleições

 

nem por um golpe. Com excepção de Carmona, os

 

outros líderes e principais fi guras do 28 de Maio afastaramse

 

de Salazar e muitos conspiraram contra ele. Ele nunca

 

conquistou o poder, foi ganhando poder com o tempo,

 

lentamente.

 

Por outro lado, nunca foi um grande orador. Os seus

 

discursos são para ser lidos (e o português era bom) e não

 

ouvidos. Detestava as massas e os grandes ajuntamentos.

 

Nunca vestiu um uniforme militar contrariamente aos

 

outros ditadores fascistas. Aliás, sempre desconfi ou dos

 

militares. Os ofi ciais mais graduados tinham combatido ao

 

lado dos ingleses e eram anglófonos, o que para ele signifi

 

cava adeptos da democracia. Escolheu para ministro da

 

Guerra o major Santos Costa. Podemos imaginar nos dias

 

de hoje a afronta que seria para as Forças Armadas ter um

 

major à frente do Ministério da Defesa?

 

A União Nacional era uma estrutura que mais ou menos

 

hibernava para despertar quando necessário mas nunca

 

foi um partido de massas à moda fascista.

 

O salazarismo foi uma ditadura conservadora na verdadeira

 

acepção da palavra: queria conservar o que

 

tinha. Os fascistas queriam a mudança; eram, à

 

sua medida, revolucionários. Os fascistas eram

 

expansionistas: a Itália invadiu a Abissínia e os

 

Balcãs; a Alemanha ocupou quase toda a Europa

 

e teve guerras nas suas colónias africanas; e

 

Espanha teve ambições em Marrocos, então nas

 

mãos dos franceses. Salazar queria conservar o que tinha,

 

nomeadamente o seu império colonial africano.

 

Do ponto de vista económico, enquanto os fascistas eram

 

fortemente favoráveis à industrialização, Salazar buscava

 

na agricultura o futuro do País, ou seja, no seu passado.

 

Quanto ao respeito pelos direitos humanos básicos, é

 

evidente que Salazar não os respeitava e actuava através

 

da PIDE e de tribunais especiais. Mas o grau de brutalidade

 

que conhecemos em Espanha ou em Itália fi ca muito distante

 

do salazarismo. Nunca Salazar instituiu (ou pensou

 

em fazê-lo) a pena de morte. Mesmo quando o salazarismo

 

matou, foi como criminoso face à lei vigente. E comparando

 

a repressão salazarista com a repressão da Primeira República,

 

Salazar não se compara mal.

 

Mais ainda, Salazar procurou sempre manter as instituições

 

de repressão política fora das outras instituições. Por

 

exemplo, os tribunais políticos foram separados dos outros

 

tribunais que gozavam de relativa independência; o mesmo

 

se passou quando cria a PIDE, deixando bastante de lado

 

as outras polícias e fora da repressão política directa.

 

É verdade que Salazar adoptou muitas das instituições do

 

fascismo, nomeadamente italiano. A Mocidade Portuguesa

 

e a Legião foram criadas à imagem do que se passava por

 

essa Europa de índole fascista. Mas a Mocidade Portuguesa

 

foi fundamentalmente um movimento de escuteiros laico,

 

com alguma preocupação ideológica, mas nunca uma força

 

repressiva como em outros países fascistas. A Legião teve

 

alguma importância durante a crise espanhola nos anos 30,

 

mas rapidamente Salazar a esvaziou de conteúdo, desde

 

logo matando-a por falta de recursos fi nanceiros.

 

Salazar tinha um profundo desprezo pela liberdade e,

 

em particular, pela democracia, que fi que claro. Não foi

 

um ditador no sentido fascista, propriamente dito. Foi um

 

nacionalista, evitando a todo o custo que as grandes potências

 

tivessem capacidade (nomeadamente via recursos

 

fi nanceiros) para infl uenciar o rumo do País. Cedeu aos

 

ingleses (e americanos) a base das Lajes, não por razões

 

económicas mas por pressão militar. Alguma coisa neste

 

particular que nos embaraça um pouco nos dias que correm.

 

Certo?

 

 

 

Professor universitário

 

 

Luís

 

Campos

 

e Cunha

 

Salazar nunca

 

conquistou o poder, foi

 

ganhando poder com

 

o tempo, lentamente

 

publicado por blogdaportugalidade às 09:32
link do post | comentar | favorito
|

...

 

Foi pedido o resgate

 

Bom, dado o que está em causa é tão só o futuro dos nossos filhos e a própria sobrevivência da democracia em Portugal, não me parece exagerado perder algum tempo a desmontar a máquina de propaganda dos bandidos que se apoderaram do nosso país.

 

Já sei que alguns de vós estão fartos de ouvir falar disto e não querem saber, que sou deprimente, etc, mas é importante perceberem que o que nos vai acontecer é, sobretudo, nossa responsabilidade porque não quisemos saber durante demasiado tempo e agora estamos com um pé dentro do abismo e já não há possibilidade de escapar.

 

Estou convencido que aquilo a que assistimos nos últimos dias é uma verdadeira operação militar e um crime contra a pátria (mais um). Como sabem há muito que ando nos mercados (quantos dos analistas que dizem disparates nas TVs alguma vez estiveram nos ditos mercados?) e acompanho com especial preocupação (o meu Pai diria obsessão) a situação portuguesa há vários anos.

 

Algumas verdades inconvenientes não batem certo com a "narrativa" socialista há muito preparada e agora posta em marcha pela comunicação social como uma verdadeira operação de PsyOps, montada pelo círculo íntimo do bandido e executada pelos jornalistas e comentadores "amigos" e dependentes das prebendas do poder (quase todos infelizmente, dado o estado do "jornalismo" que temos).

 

Ora acredito que o plano de operações desta gente não deve andar muito longe disto:

 

Narrativa

: Se Portugal aprovasse o PEC IV não haveria nenhum resgate.

Verdade

: Portugal já está ligado à máquina há mais de 1 ano (O BCE todos os dias salva a banca nacional de ter que fechar as portas dando-lhe liquidez e compra obrigações Portuguesas que mais ninguém quer - senão já teríamos taxas de juro nos 20% ou mais).

Ora esta situação não se podia continuar a arrastar, como é óbvio.

 

Portugal tem que fazer o rollover de muitos milhares de milhões em dívida já daqui a umas semanas só para poder pagar salários! Sócrates sabe perfeitamente que isso é impossível e que estávamos no fim da corda.

 

O resto é calculismo político e teatro, como sempre fez.

 

Narrativa

: Sócrates estava a defender Portugal e com ele não entrava cá o FMI.

Verdade

: Portugal é que tem de se defender deste criminoso louco que levou o país para a ruína (há muito antecipada como todos sabem).

A diabolização do FMI é mais uma táctica dos spin doctors de Sócrates.

 

O FMI fará sempre parte de qualquer resgate, seja o do mecanismo do EFSF (que é o que está em vigor e foi usado pela Irlanda e pela Grécia), seja o do ESM (que está ainda em discussão entre os 27 e não se sabe quando, nem se, nem como irá ser aprovado).

 

Narrativa

: Estava tudo a correr tão bem e Portugal estava fora de perigo mas vieram estes "irresponsáveis" estragar tudo.

Verdade

: Perguntem aos contabilistas do BCE e da Comissão que cá estiveram a ver as contas quanto é que é o real buraco nas contas do Estado e vão cair para o lado (a seu tempo isto tudo se saberá).

Alguém sinceramente fica surpreendido por descobrir que as finanças públicas estão todas marteladas e que os papéis que os socráticos enviam para Bruxelas para mostrar que são bons alunos não têm credibilidade nenhuma?

 

E acham que lá em Bruxelas são todos parvos e não começam a desconfiar de tanto oásis em Portugal?

 

Recordo que uma das razões pela qual a Grécia não contou com muita solidariedade alemã foi por ter martelado as contas sistematicamente, minando toda a confiança.

 

Acham que a Goldman Sachs só fez swaps contabilísticos com Atenas?

 

E todos sabemos que o Eng.º relativo é um tipo rigoroso, estudioso e duma ética e honestidade à prova de bala, certo?

 

Narrativa

: Os mercados castigaram Portugal devido à crise política desencadeada pela oposição. Agora, com muita pena do incansável patriota Sócrates, vem aí o resgate que seria desnecessário.

Verdade

: É óbvio que os mercados não gostaram de ver o PEC chumbado (e que não tinha que ser votado, muito menos agora, mas isso leva-nos a outro ponto), mas o que eles querem saber é se a oposição vai ou não cumprir as metas acordadas à socapa por Sócrates em Bruxelas (deliberadamente feito como se fosse uma operação secreta porque esse aspecto era peça essencial da sua encenação).

E já todos cá dentro e lá fora sabem que o PSD e CDS vão viabilizar as medidas de austeridade e muito mais.

 

É impressionante como a máquina do governo conseguiu passar a mensagem lá para fora que a oposição não aceitava mais austeridade.

 

Essa desinformação deliberada é que prejudica o país lá fora porque cria inquietação artificial sobre as metas da austeridade. Mesmo assim os mercados não tiveram nenhuma reacção intempestiva porque o que os preocupa é apenas as metas.

 

Mais nada.

 

O resto é folclore para consumo interno.

 

E, tal como a queda do governo e o resgate iminente não foram surpresa para mim, também não o foram para os mercados, que já contavam com isto há muito (basta ver um gráfico dos CDS sobre Portugal nos últimos 2 anos, e especialmente nos últimos meses).

 

Porque é que os media não dizem que a bolsa lisboeta subiu mais de 1% no dia a seguir à queda?

 

Simples, porque não convém para a narrativa que querem vender ao nosso povo facilmente manipulável (julgam eles depois de 6 anos a fazê-lo impunemente).

 

Bom, há sempre mais pontos da narrativa para desmascarar mas não sei se isto é útil para alguém ou se é já óbvio para todos.

 

E como é 5ª feira e estou a ficar irritado só a escrever sobre este assunto termino por aqui.

 

Se quiserem que eu vá escrevendo mais digam, porque isto dá muito trabalho.

 

Henrique Medina Carreira

 

TALVEZ FOSSE BOA IDEIA DIVULGAREM AOS VOSSOS (AS) AMIGOS (AS)

 

PARA BEM DE TODOS

 

publicado por blogdaportugalidade às 09:14
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Maio de 2011

MOMENTO ACTUAL>>>>AS NOVAS OPORTUHIDADES

 
As NOVAS OPORTUNIDADES,....
 
 
LIMPE-SE A ISTO SR SÓCRATES
 
 
RM DEVIDO TEMPO PUBLIQUEI "S NOVAS OPORTUNIDADES@

 

publicado por blogdaportugalidade às 00:56
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

19
20
21
22

24
26
27
29

30


.posts recentes

. NINGUÉM SE PREOCUPA CO...

. ESBANJAMENTO DE DINHEI...

. E ASSIM SE VAI VE...

. LER PORTAGENS NAS SCUTS,...

. UMA CARTA DE RUY DE CA...

. MOVIMENTO CONTRA O NAO : ...

. UMA CARTA AO SR (SENHO...

. CONGRESSO DEMOCRÁTICO DAS...

. AFINAL ,QUEM É O SINDI...

. PARA TODOS OS PORTUGUESES...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.favorito

. AH....GRANDE VINTE E CIN...

. As novas oportunidades

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds