Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

POR ALGUMA COISA CALARAM O DR MEDINA CARREIRA,na TV

 

Haverá mesmo 33% de malucos em Portugal?

 

No dia em que José Sócrates lançava finalmente a toalha ao chão e pedia que o FMI viesse salvar a pátria da bancarrota, uma sondagem da Universidade Católica atribuía 33% de intenções de voto ao PS nas próximas eleições.

Esta sondagem vem na linha de outras que colocam os socialistas na casa dos trinta por cento, um resultado de tal modo espantoso que cada vez que vejo estes números nos jornais tenho vontade de me beliscar para ter a certeza de que estou acordado. Como é possível que alguém com o cérebro irrigado ainda ponha a hipótese de votar em José Sócrates no próximo dia 5 de Junho?

Dir-me-á, caro leitor – e estou certo de que esta é a pergunta que assombra metade dos portugueses –, que ninguém tem a certeza de que Pedro Passos Coelho venha a ser melhor primeiro-ministro do que Sócrates. É verdade. Ninguém pode ter a certeza. Sem dúvida que eu preferia que o PSD tivesse outro líder. Sem dúvida que Passos e a sua ‘entourage’ estão longe de entusiasmar quem quer que seja. Sem dúvida que os erros cometidos nas últimas semanas não auguram nada de bom. Mas pense comigo, caro leitor. Imagine que vai construir uma casa nova e só tem dois empreiteiros disponíveis: um deles é construtor há muitos anos, e deixou desabar todas as casas onde pôs as mãos; o outro tem pinta de poder ser tão mau quanto ele, mas nunca construiu casa alguma. A qual deles entregaria você a obra?

Admitir que 33% de portugueses possam vir a ilibar com o seu voto o comportamento do primeiro-ministro nos últimos seis anos é inconcebível para mim. Só pode ser gente que se encontrasse Sócrates numa viela escura a esfaquear uma velhinha viria defender publicamente que ele estava a promover a acupunctura entre a terceira idade. Caro leitor: votar no PS, ainda vá. Mas votar em Sócrates? Votar em Sócrates não tem perdão.

João Miguel Tavares / in /C.M.

Eu vi o Poceirão!

 

Nunca nada de pessoal me moveu contra Sócrates. Apenas o topei mais cedo do que a maioria dos portugueses e dos jornalistas (há resistentes). Eram muitos os sinais do seu perigo, mas não foi fácil remar contra a maré.  

Ele tinha o poder, a comunicação social, a ERC, o PS amestrado, cúmplices na Justiça, uma oposição fraca, uma opinião pública medrosa e uma personalidade que não olha a meios para obter os seus fins. Sócrates quis ser primeiro-ministro, mandar e controlar, e assim se manteve até ao último momento. Já depois do último momento. Mesmo cercado, teve de ser empurrado para a ajuda externa pelo governador do Banco de Portugal, que não deixou os bancos financiarem mais o Estado. E a real situação do país está por saber!

Temos vivido com uma política criminosa em função de uma estratégia pessoal. Sócrates mente e tantas vezes que tornou a mentira natural.

Agora, é o chumbo do PEC a servir de desculpa a toda a desgraça e ao FMI.

Esquecem-se que 7% de juros era o limite do ministro das Finanças para a ajuda. Saltaram-no, pela sobrevivência do primeiro-ministro. Agora, depois de 2,2 mil milhões de juros e 55% do fundo da Segurança Social na dívida, resta-nos o Poceirão. O caminho mais rápido para Espanha!

Manuela M.Guedes / in /C.M.

A culpa do descalabro

 

O resgate de Portugal era inevitável. A queda infernal das notas de ‘rating’ e o endividamento do Estado, das empresas públicas e das famílias, com a banca dependente do financiamento externo, acabaram com o resto de soberania económica.

 Não vale a pena chorar pelo leite derramado, mas há responsabilidades a apurar sobre o estado a que este País chegou. Como alguém disse, quando se pede a intervenção do FMI, também seria útil chamar o FBI.

Na base deste descalabro está uma política de aproveitar o dinheiro fácil para gastar, sem olhar à relação entre custos e benefícios. Um País que na década de 90 vendeu as suas principais jóias (banca, PT, EDP, seguradoras, Brisa, etc.) para reduzir a dívida, voltou a bater recordes de endividamento, apesar de a pressão fiscal também bater recordes. Quem teve responsabilidades parece que nunca se preocupou que a dívida pública tinha de ser paga algum dia. Era apenas para gerir.

Atribuir as culpas desta tragédia lusa aos efeitos da crise internacional e ao contágio grego é mais uma vez fugir às responsabilidades. A Grécia apenas acelerou uma bomba-relógio, que mais cedo ou mais tarde iria explodir. Medina Carreira tinha avisado.

Armando Esteves Pereira / in /C.M.

Ps;por algum motivo calaram(tempo de antena) este sr.(Medina Carreira).

publicado por blogdaportugalidade às 20:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

19
20
21
22

24
26
27
29

30


.posts recentes

. NINGUÉM SE PREOCUPA CO...

. ESBANJAMENTO DE DINHEI...

. E ASSIM SE VAI VE...

. LER PORTAGENS NAS SCUTS,...

. UMA CARTA DE RUY DE CA...

. MOVIMENTO CONTRA O NAO : ...

. UMA CARTA AO SR (SENHO...

. CONGRESSO DEMOCRÁTICO DAS...

. AFINAL ,QUEM É O SINDI...

. PARA TODOS OS PORTUGUESES...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.favorito

. AH....GRANDE VINTE E CIN...

. As novas oportunidades

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds